10 maio 2014

Especialista dá dicas de como evitar saída de funcionários da empresa

Causas da alta rotatividade estão ligadas à motivação no ambiente de trabalho. Planos de carreira ajudam a reter profissionais.




IFrame
·          
Ambiente de trabalho (Foto: Reprodução GloboNews)Bom ambiente de trabalho costuma reter 
funcionários (Foto: Reprodução GloboNews)
Em tempos de alta rotatividade de profissionais, se a empresa não der atenção especial aos colaboradores que se destacam e querem crescer na carreira, rapidamente poderá perdê-los para o mercado. Segundo o diretor-executivo da Innovia Training & Consulting, Ricardo Barbosa, é fundamental que a companhia pense na implantação de uma política de planos de carreiras para reter profissionais.

“Em toda empresa é fundamental ter uma preocupação alta com a taxa de 'turnover', que deve ser constantemente analisada e avaliada, pois seus impactos são diretos na produtividade”, diz. O termo turnover significa rotatividade de pessoal, que mede o giro de entradas e saídas de funcionários. Se o índice for muito alto, a empresa tem mais gastos, pois a cada saída de funcionário, normalmente, há a admissão de outro no lugar. Segundo Barbosa, o custo de rotatividade pode chegar ao equivalente a oito salários nominais, por empregado, dependendo do cargo. O que vale dizer que, pelo mesmo valor, mantém-se o mesmo funcionário trabalhando durante 8 meses.

As causas dos pedidos de demissão estão diretamente ligadas à motivação no ambiente de trabalho. “Diferente do que se possa pensar, a questão salarial não é a única que influencia no alto índice de turnover. Mas com certeza uma empresa que paga muito pouco terá primeiramente que repensar essa situação, para depois utilizar outras medidas motivacionais”.

Pesquisas realizadas em algumas corporações mostram que um dos principais motivos para saída de colaboradores é o relacionamento com seus superiores. Eles se demitem dos chefes, e não da organização. Outros pontos imperativos na hora de trocar de empresa são os benefícios insuficientes ou mal empregados, a sociabilidade precária, a baixa interação entre grupos de trabalho, o ambiente e clima de trabalho desconfortável e a política interna de pessoal mal empregada.

“A perda de mão de obra sempre é prejudicial a uma organização, em especial quando perde bons colaboradores, qualificados e treinados. Outro problema é que os empresários terão que arcar com gastos da rescisão do antigo profissional, despesas de seleção, de recrutamento, e, além disso, terão que treinar e reservar um período de adaptação, entre outras variáveis. O ideal é que o turnover de uma empresa esteja em um índice apenas necessário para que haja renovação saudável do corpo profissional", afirma o diretor-executivo da Innovia Training & Consulting.
O especialista diz que, para detectar os problemas, além das entrevistas com chefias e funcionários, pode-se adotar a ficha de entrevista de desligamento, que contém informações capazes de identificar os problemas que norteiam na empresa.
Os planos de carreira ajudam a reter bons profissionais, que, em geral, têm objetivos bem definidos. "É fundamental que o profissional tenha perspectivas de onde pode chegar e quais as regras para atingir. E é isso que um plano de carreira fornece, pois é uma ferramenta utilizada para que a empresa possibilite o desenvolvimento de pessoas através de estratégias que estabeleçam a melhoria contínua dos processos organizacionais e desenvolvam as pessoas com capacidade real de assumir atribuições e responsabilidades em níveis crescentes de complexidade", diz Barbosa.

Veja dicas do especialista para reduzir o turnover da empresa:

- Quando o colaborador pede demissão ou é demitido, faça uma entrevista pessoal para saber o motivo. Questionário estruturado para ser preenchido por mera formalidade de nada adianta.
- Compare o salário que você oferece com os de outra empresa. Muitas vezes terá a triste descoberta que está formando mão de obra para eles.
- Sua empresa possui um plano de carreira claro? Tenha definido até onde os colaboradores podem chegar e executar essas ações.
- Os gestores têm que estimular o funcionário a planejar sua carreira, avaliar com realismo os objetivos e necessidades de desenvolvimento de seus subordinados, aconselhá-los no desenvolvimento conciliado com a empresa e acompanhar a implementação do plano de carreira.
- O ideal é incentivar o colaborador a fazer uma autoavaliação de seus potenciais e também  do gestor. Os colegas também devem avaliá-lo.
- Sua empresa tem políticas para plantão de finais de semana, feriados e horas extras? É comum escalar o pessoal com o intuito de punição. Esse é um ponto muito importante, veja se a empresa não possui protegidos. Qual o número de faltas aos sábados e domingos? Confira também as faltas às segundas feiras, dia de procurar outro emprego.
- Atestados médicos: confira e confirme os motivos. Não se assuste com as justificativas daqueles que vão acompanhar parentes sob a alegação de que, faltando ou não, ninguém se importa.
- Qual o clima que reina na empresa? Como os supervisores e monitores de qualidade tratam os colaboradores? Eles dão feedback? Pesquise esses dados cuidadosamente.
- Para a empresa é importante fazer uma análise da cultura, pesquisa de clima organizacional, desenho de cargos, educação continuada e um plano de desenvolvimento operacional, administrativo e gerencial.
Fonte G1, em São Paulo