10 dezembro 2016

Suplementos serão vendidos como alimentos em 2017

Em 2016, o órgão emitiu 17 resoluções que tiraram de circulação alguns produtos
Foto: Internet
A Anvisa (vigilância sanitária) deverá liberar a venda de suplementos para nutrição cosmética e esportiva para serem comercializados como alimentos no ano que vem, diz Thalita Lima, gerente-geral de alimentos do órgão.
Pela lei atual, considerada restritiva pela própria agência, produtos como cápsulas com substâncias concentradas são enquadrados como remédios e têm que enfrentar um processo longo para serem vendidos no Brasil.
O plano é que os suplementos passem a ser considerados alimentos pela Anvisa.
“É importante para o país buscar convergência com a regulação internacional. Permitiremos dezenas de substâncias, mas elas não vão poder ter alegação terapêutica.”
Em 2016, o órgão emitiu 17 resoluções que tiraram de circulação produtos específicos com substâncias proibidas, contra 12 em 2015.
Neste ano, começou a vigorar um acordo com a Abenutri (de produtoras e distribuidoras estabelecidas) em que a associação notifica lojas que vendem suplementos proibidos pela Anvisa.
O segmento de nutrição para esportes cresceu 9% em 2016, aponta a Euromonitor.